BLOG

Essências Florais - o que são e como nos ajudam.

Atualizado: 25 de fev. de 2021



Sou apaixonada por esta terapia desde o dia em que a estudei, recordo estar nas aulas com um verdadeiro brilho nos olhos, fascinada com toda aquela informação, tão nova, mas ao mesmo tempo tão familiar. Penso que terá sido a primeira vez que ouvi falar em termos como: corpo energético, essência vital, terapia vibracional e chakras (ou centros de energia). Conceitos que desconhecia na altura e que hoje são tão naturais para mim.

Ao falarmos de essências florais, estamos a falar de uma terapia vibracional. Não existe substância química ou princípio activo numa essência floral, mas sim a sua vibração energética. Subtil? Sim, mas muito poderoso, acreditem.

"Se apenas concebermos o homem como uma entidade que vive dentro de um estreito casaco de pele, é normal que consideremos mágicos os estímulos que são direcionados para o seu campo de energia." (1)

Tudo é energia.

A energia é a matéria-prima para ser elaborada, onde o resultado será uma árvore, uma pessoa ou uma emoção.

A matéria, é apenas uma variedade da energia.

Para a medicina bioenergética, o homem é uma unidade de consciência, resultante da interação de diferentes campos de energia que podem ser resumidas em níveis físicos, emocionais, mentais e espirituais; onde a doença surge como resultado do atrito entre esses níveis de consciência. O fundamento básico da bioenergética é o reconhecimento da existência de um corpo vital ou energético, e este representa o nível de passagem e troca de todas as energias que circulam num ser vivo. Este corpo energético é sensível - entre outros estímulos vibratórios - à luz, à cor, ao som, a formas e figuras, campos electromagnéticos e imagens mentais, reagindo mesmo sem que estes tenham contacto direto com a pele. Esses estímulos são as ferramentas básicas da terapia vibracional. As essências florais são um sistema terapêutico desenvolvido pelo médico inglês Edward Bach em 1930, no entanto as suas origens remontam à China antiga e ao Egipto. Existem relatos de Platão e Sócrates que procuravam alívio para os seus estados emocionais nas gotas de orvalho que encontravam sobre as pétalas das flores.